segunda-feira, outubro 21, 2019
Início > Geral > A aula de jornalismo de Glenn Greenwald na entrevista com Lula. Por Paulo Nogueira

A aula de jornalismo de Glenn Greenwald na entrevista com Lula. Por Paulo Nogueira

Por  

Jornalismo como deve ser: Greenwald com Lula

Disse ontem que a entrevista de Mírian Dutra por Mariana Godoy foi uma lição de mau jornalismo.

É com satisfação que digo agora que a entrevista de Lula por Glenn Greenwald foi o oposto: uma aula magna de jornalismo. (Aqui, em português.)

Greenwald não deixou de fazer uma única pergunta indigesta a Lula. Foi firme, foi sereno, foi respeitosamente altivo. Falou quando tinha que falar, ouviu quando tinha que ouvir, contrapôs quando tinha que contrapor.

Greenwald é americano radicado no Brasil, onde mora com seu companheiro. É um jornalista de esquerda, e tem prestígio mundial. Já levou um Pulitzer, o maior prêmio global de jornalismo.

Greenwald se colocou também quando achou que devia. Por exemplo, ao falar da imprensa brasileira.

Para um americano como ele, é chocante ver o comportamento da mídia. Três famílias “muito ricas”, sublinhou ele, sabotam a democracia e se dedicam a defender seus interesses – os da plutocracia.

Greenwald não consegue entender como isso pode acontecer numa sociedade razoavelmente avançada como o Brasil.

Parte da responsabilidade deve ser atribuída ao próprio PT de Lula, que em doze anos de poder jamais ousou enfrentar a tirania das empresas jornalísticas, numa tentativa de conciliação que se provou desastrosa e, talvez, suicida.

Ano após ano, com monotonia chocante, Lula primeiro e Dilma depois continuaram a prática de antecessores de inundar de dinheiro público Globo, Abril, Folha e demais grandes empresas de jornalismo.

O caso mais absurdo é o da Globo: 500 milhões de reais ao ano em propagandas federais, mesmo com audiências declinantes e um jornalismo brutalmente deformado e deformador, como notou Greenwald em sua entrevista a Lula.

Não é exagero dizer que o exército de jornalistas antidemocracia da Globo, e não só dela, foi paradoxalmente financiado pelo PT.

Este tópico não foi abordado na entrevista, e é uma pena.

Um outro instante em que o entrevistador quase pediu socorro ao entrevistado para entender uma aberração brasileira disse respeito a Eduardo Cunha.

Como explicar a um estrangeiro, perguntou Greenwald, que um corrupto contra o qual pesam provas tão esmagadoras continue na presidência da Câmara e lidere algo tão dramático quanto um processo de impeachment?

Cunha, é certo, foi protegido por políticos como Aécio, pela mídia, pela Lava Jato de Moro e, se não bastasse tudo isso, pela Justiça: o STF o viu, de braços cruzados, fazer horrores, mesmo depois de conhecidos seus crimes de corrupção.

Dados todos estes descontos, é certo também que faltou mobilização popular para afastar e prender Cunha.

Os movimentos sociais que recentemente saíram às ruas contra o golpe não se dedicaram a varrer Cunha da vida pública. Tivessem se mexido como agora, e Cunha estava na cela.

Lula não conseguiu explicar convincentemente a Greenwald a invulnerabilidade de Eduardo Cunha.

Ninguém consegue explicar. E ninguém consegue entender.

Um ladrão pode ocupar a presidência da República, caso o golpe passe.

É uma possibilidade real e aterradora, e contra ela os brasileiros têm que se bater epicamente nesta semana vital para o destino da democracia.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *