quarta-feira, outubro 16, 2019
Início > Cidades > Abraço marca o Dia da Consciência Negra em Goiânia

Abraço marca o Dia da Consciência Negra em Goiânia

Dia da Consciência Negracomemorado no dia 20 de novembro em todo o território nacional, faz referência ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo de Palmares. Ele, juntamente com a guerreira Dandara dos Palmares, lutou para preservar o modo de vida africano dos negros escravizados que conseguiram fugir da escravidão. Em reconhecimento à essa luta, ocorre hoje a 18º edição do Abraço Negro de Goiânia 2018, projeto de responsabilidade do Movimento Negro Unificado (MNU) em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (SINTEGO). O evento iniciou às 9h da manhã desta terça-feira (20) no Centro Cultural Cora Coralina e o Teatro Goiânia, no Centro de Goiânia.

Segundo o Sintego, além de ativistas, mais de 500 estudantes participaram da ação. “Nós levamos essas experiências e ações de combate ao racismo para as escolas de Goiás durante todo o mês de novembro e realizamos no Dia da Consciência Negra esse abraço simbólico com a intenção de mostrar a nossa luta para o reconhecimento da história dos negros para a construção do país”, disse Ieda Leal, coordenadora nacional do MNU.

Ieda explica que é muito importante registrar a luta contra o racismo porque a nossa sociedade não é homogênea, mas diversa. Por isso, uma das linhas de ação do movimento é envolver as instituições de ensino para realizar trabalhos de conscientização dos alunos e professores sobre as contribuições dos negros para o país.

“A expectativa para o Brasil é de viver dias muito ruins por causa do preconceito. Diante da lei nós somos iguais, mas vivemos uma diversidade cultural, religiosa, étnica. Quem desrespeita um negro, desrespeita a lei. Fere a dignidade da pessoa. Existe uma população diversa no Brasil e ela precisa ser respeitada”, declara.

Durante todo o mês de novembro, o movimento negro também leva até os trabalhadores da educação orientações sobre como combater o racismo nas escolas. De acordo com Ieda, dentre as atividades sugeridas às unidades de ensino, estão as oficinas de instrução onde são realizados diálogos com pais e professores, trabalhos de pesquisa para os alunos e a prática da capoeira.

“É importante mostrar aos alunos que vivemos em um país laico e cheio de diversidade. Nós precisamos saber como tudo isso foi feito e por quem. Temos que saber mais sobre as nossas origens”, ressalta.

Nesta edição, o evento homenageará as Escrevivências Negras da escritora mineira Conceição Evaristo. Segundo a autora, o conceito de “Escrevivência” surgiu a partir das palavras “escrever” e “viver” e afirmou, em um seminário para mulheres na literatura, que o termo “não é para ninar os filhos da Casa Grande, e sim para incomodá-los em seus sonos injustos”.

“Vidas negras importam”

Segundo Ieda, com a nova gestão do governo federal, o movimento pretende se organizar para garantir a preservação dos direitos já conquistados pelos negros ao longo dos anos. “Ou o presidente que assume reconhece a importância dos negros ou ele volta para os bancos da escola para aprender sobre a história dos negros na construção do Brasil”, declara.

(Foto: Divulgação / Sintego)

Líder do MNU, Ieda Leal durante discurso na ação Abraço Negro Goiânia 2018 (Foto: Divulgação / Sintego)

“Nós precisamos ser respeitados. Não importa se é uma pessoa do povo, um vereador, governador ou presidente. Se ferir os nossos direitos, aplicaremos a lei. Ela é clara sobre qualquer tipo de desrespeito à nossa luta”, conta.

Ieda diz que o movimento está preocupado com essa onda de conservadorismo que toma conta do país. Ela diz que “isso ocorre de acordo com uma sobrecarga na pobreza. A gente tem que lutar para aumentar o emprego. Não podemos ter a frente do país pessoas racistas, misóginas, homofóbicas, que possam ferir a dignidade humana. Porque se fere a dignidade humana, fere a dignidade de todo mundo”, destaca a ativista. “É fundamental deixar claro que a nossa preocupação maior é de garantir a dignidade para a vida negra no país. Vidas negras importam”, completa.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *