quinta-feira, julho 18, 2019
Início > Geral > ATÉ VEJA ADMITE QUE DILMA FOI VÍTIMA DE CONSPIRAÇÃO

ATÉ VEJA ADMITE QUE DILMA FOI VÍTIMA DE CONSPIRAÇÃO

247 – Por que Dilma Rousseff foi afastada da presidência da República? Oficialmente, porque teria cometido o “crime” das pedaladas fiscais.

Embora poucos levassem a sério essa acusação, a sociedade brasileira foi manipulada durante meses para ser convencida de que a edição de alguns decretos de crédito seriam motivo suficiente para cassar 54 milhões de votos.

Vez por outra, alguém dizia a verdade. “Há interesses de oportunistas que imaginam que derrubar a presidente seja caminho para parar a Lava Jato. Visam se proteger exatamente atacando a presidente, sobre a qual não pesa qualquer acusação”, disse o governador Maranhão, Flávio Dino, numa entrevista de 6 de abril (leia aqui). Em março, o jornalista Ricardo Noblat também havia cobrado, num ataque de sincericídio, que políticos corruptos afastassem rapidamente Dilma para, assim, se salvarem (leia aqui).

Ainda não havia, no entanto, a prova material de que tudo não passava de uma conspiração para trocar o governo e, assim, tentar conter os estragos da Lava Jato sobre a classe política. Ela surgiu quando o senador Romero Jucá (PMDB-RR), gravado por Nelson Machado, ex-presidente da Transpetro, falou da necessidade de “parar essa porra” e “estancar essa sangria”, numa clara referência à Lava Jato (leia aqui).

Foi tudo tão claro, tão cristalino, que nem Veja conseguiu esconder essa realidade. Em sua edição deste fim de semana, a revista dedica sua capa ao “complô” para conter a Lava Jato e aponta que Dilma foi vítima de uma conspiração. “As gravações de Romero Jucá – e de Renan Calheiros e José Sarney – não são má notícia para Temer apenas porque perdeu um ministro importante. São má notícia porque sugerem que sua ascensão ao Palácio do Planalto decorreu de uma conspiração para parar a Lava-Jato. Jucá falou disso com clareza”, diz reportagem da edição deste fim de semana da revista.

Para a publicação, Dilma tentou, mas não conseguiu conter a operação – o que sugere que Temer talvez tivesse força para fazê-lo. O presidente interino foi também cobrado a demitir Henrique Eduardo Alves, ministro do Turismo citado nas investigações, e a se afastar de Eduardo Cunha, como se isso fosse possível.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *