terça-feira, junho 25, 2019
Início > Geral > Câmara aprova lei antiterrorismo; mesmo com salvaguarda, dá margem a criminalizar movimentos sociais

Câmara aprova lei antiterrorismo; mesmo com salvaguarda, dá margem a criminalizar movimentos sociais

Ranier Bragon, na Folha de S. Paulo
Após apelo do governo e em meio à ameaça de organismos internacionais de aplicar sanções ao país, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (24) projeto de lei que tipifica o crime de terrorismo no Brasil, com pena que vai de 12 a 30 anos de prisão.
O texto, de autoria do Poder Executivo, mas alterado pelo Congresso (leia a íntegra ), vai agora para a sanção da presidente Dilma Rousseff. A votação foi simbólica (sem registro nominal dos votos).
Câmara e Senado divergiram sobre o tema. Prevaleceu a posição dos deputados, que excluíram o “extremismo político” como caracterização do terrorismo, em meio às discussões sobre se a lei representaria uma ameaça às manifestações políticas de rua.
Pelo texto que vai para a sanção de Dilma, o terrorismo é tipificado como a prática por uma ou mais pessoas de atos de sabotagem, de violência ou potencialmente violentos “por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião, quando cometidos com a finalidade de provocar terror social ou generalizado, expondo a perigo pessoa, patrimônio, a paz pública ou a incolumidade pública”.
O relator do texto, Arthur Oliveira Maia (SD-BA), afirmou que a exclusão de “extremismo político” ocorreu devido a uma emenda aprovada na primeira votação pela Câmara, em 2015. Embora considere que a decisão crie uma certa fragilidade na lei, ele argumenta que sempre há a possibilidade de aplicação da legislação penal existente.
Por pressão dos partidos de esquerda, a Câmara também retomou um artigo, que havia sido excluído pelos senadores, deixando clara a exclusão dos movimentos sociais e políticos do escopo da nova lei.
“O disposto neste artigo não se aplica à conduta individual ou coletiva de pessoas em manifestações políticas, movimentos sociais, sindicais, religiosos, de classe ou de categoria profissional, direcionados por propósitos sociais ou reivindicatórios, visando a contestar, criticar, protestar ou apoiar, com o objetivo de defender direitos, garantias e liberdades constitucionais, sem prejuízo da tipificação penal contida em lei.”
Apesar disso, PSOL e PC do B afirmam que a lei tem o objetivo, na verdade, de criminalizar os movimentos sociais, levando-se em conta a ausência de histórico terrorista no país. “É um ato de sabujismo do governo”, criticou o líder do PSOL, Ivan Valente (RJ).
Devido à proximidade da )Olimpíada do Rio de Janeiro, em agosto, o governo pediu nesta semana aos líderes dos partidos aliados que priorizassem a votação do projeto. O Gafi (Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo) exigia que o Brasil adotasse leis com punições específicas para o financiamento do terrorismo.
“Essa Casa está votando a favor dessa lei e está dizendo que está contribuindo para o sucesso da Olimpíada. Vai dar mais segurança, consistência para que o mundo inteiro não use o argumento menor de não mandar delegação para aqui”, afirmou o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE).
O texto aprovado pela Câmara estabelece também pena de 5 a 8 anos de prisão por auxílio a organização terrorista, e de até dez anos para apologia ao terrorismo, entre outras punições.
Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *