quinta-feira, julho 18, 2019
Início > Cidades > Caso João de Deus: Força-tarefa do Ministério Público atende 78 vítimas

Caso João de Deus: Força-tarefa do Ministério Público atende 78 vítimas

Nesta terça-feira (11), o Ministério Público de Goiás realizou até as 11h da manhã 78 atendimentos a mulheres que se apresentam como vítimas de João de Deus. O órgão atendeu também moças de Minas GeraisSão PauloParaná e Mato Grosso.

De acordo com o MP-GO, os atendimentos em busca de informações foram presenciais, por e-mail e por telefone. A maioria das vítimas entraram em contato por meio do canal criado exclusivamente para essa finalidade, o e-mail denuncias@mpgo.mp.br. As possíveis vítimas podem ainda procurar o MP-GO pelos telefones 62 3243-8051 8052 ou presencialmente.

Os promotores estão se dedicando exclusivamente ao atendimento da população e interlocução com os coordenadores dos Centros de Apoio Operacional Criminal dos demais estados.

As mulheres estão sendo orientadas a procurarem o MP de seu estado, que ficará responsável pela coleta de depoimentos. As provas serão enviadas para força-tarefa do MP-GO, que conta com uma equipe de cinco promotores de justiça e duas psicólogas. São eles: Steve Gonçalves Vasconcelos, substituindo a Promotoria de Abadiânia; os coordenadores do Centro de Apoio Operacional (CAO) Criminal do MP, Luciano Miranda Meireles e Paulo Eduardo Penna Prado; a coordenadora do CAO dos Direitos Humanos, Patrícia Otoni, e a promotora Gabriella de Queiroz Clementino, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Promotores do MP em força-tarefa no caso João de deus (Foto: Divulgação/MP-GO)

Liliane Domingos Martins e Lícia Nery Fonseca são as psicólogas que participam da força-tarefa.

O caso

O caso de João de Deus ganhou repercussão nacional depois que ao menos 13 mulheres acusaram o médium de tê-las abusado sexualmente durante tratamento espiritual.

As denúncias foram feitas no sábado (08), no programa Conversa com Bial e no jornal O Globo. No domingo (09), O MP-GO informou que já havia investigações abertas desde junho deste ano para apurar as suspeitas.

A assessoria de João de Deus afirma que as acusações são “falsas e fantasiosas”, questiona o motivo pelo qual as vítimas não procuraram as autoridades e afirma que “a sala em questão [onde os abusos teriam ocorrido] é pública, qualquer um tem acesso a ela e jamais fica trancada”.

A equipe do médium ainda afirma que a situação “é lamentável, uma vez que o Médium João é uma pessoa de índole ilibada”.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *