sábado, setembro 21, 2019
Início > Geral > CEI do Mau Cheiro questiona presidente da Saneago sobre problema na Região Norte

CEI do Mau Cheiro questiona presidente da Saneago sobre problema na Região Norte

Na última quarta-feira (28), membros da Comissão Especial de Inquérito que investiga o mau cheiro dispersado na Região Norte de Goiânia receberam o presidente da Saneago, Jalles Fontoura na Câmara Municipal. Segundo membros da CEI, atualmente, a Estação de Tratamento de Esgoto, na Avenida Perimetral Norte, local apontado como uma das causas do problema, consegue remover apenas metade da carga orgânica presente no esgoto, sendo que com o sistema completo seria capaz de filtrar 98% do conteúdo.

Questionado sobre o motivo de após 15 anos da inauguração da ETE, a estrutura ter apenas uma de três etapas concluídas, Jalles afirmou que, em 2015, o Governo de Goiás anunciou a construção da segunda etapa, que seria realizada com a liberação de R$ 100 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), do Governo Federal, do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e da Caixa Econômica Federal (CEF).

Convidados respondem a perguntas sobre os problemas geradores do mau cheiro na região Norte (Foto: reprodução)

Segundo ele, no entanto, o dinheiro foi bloqueado e as obras paralizadas em razão da Operação Decantação, que investigava financiamento de partidos políticos com recursos do programa federal. Apesar do tempo transcorrido, o presidente da companhia revelou que as obras serão retomadas em abril, com a liberação de repasses da CEF, autorizados pelo Ministério das Cidades. A conclusão e início das operações da segunda fase da estação está prevista para 2019, quando a ETE será capaz de tratar até 80% do esgoto.

“Isso vai diminuir bastante cheiro que hoje aflige a população daquela região”, oservou Jales. Para ele, uma ação de recuperação do Rio Meia Ponte, em parceria com a Universidade Federal de Goiás, tende a minimizar o problema. “O dinheiro para execução do projeto já está garantido. Estamos falando da retirada de todos os descartes de esgoto que ainda desembocam no rio, que constitui outro problema que contribui com a formação do mau cheiro, principalmente durante a estiagem”.

Na sequência, a CEI recebeu o técnico aposentado da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), Osmar Mendes Ferreira, responsável por emitir parecer favorável ao licenciamento ambiental da empresa Cargil até 2022. Na oportunidade vereadores Cabo Senna (PRP) e Anselmo Pereira (PSDB) questionaram o motivo e o prazo da liberação, “uma vez que o mau cheiro é evidente”.

Conjunto de fatores

“A licença é baseada no momento da análise, depois disso, se passar a ser negligente, aí é uma questão de fiscalização. Tenho a consciência tranquila de que o processo de avaliação para o licenciamento foi todo feito dentro da técnica, sem a pressão de ninguém”, respondeu. Osmar completou ao afirmar que o prazo de validade da permissão, que varia entre quatro e 10 anos, é estabelecido pela Portaria 237/1997 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e é regulamentado em Goiás pela Portaria 001/2009 da antiga Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH).

Conforme explica Osmar, o mau cheiro é provocado por um “conjunto de fatores”, entre eles o esgoto que é lançado no Rio e que é agravado na época de estiagem. “É um período que não há muito deslocamento de ar e a vazão do curso d’água chega a ser zero depois do ponto de capitação porque chega a ser retirado 100% da água para o abastecimento. O que corre naquela região é a água resultante do esgoto que é lançado sem tratamento e da drenagem da cidade, que também recebe esgoto por meio das ligações clandestinas nas galerias pluviais. Como a velocidade de escoamento é baixíssima e não há diluição, o esgoto decanta, formando um sistema anaeróbico, sem oxigênio, que produz o mau cheiro”, explicou.

Poluição na Região Norte (Foto: reprodução/internet)

Convidada pela CEI, a superintendente de licenciamento e qualidade ambiental da Secima, Gabriela de Val Borges também compareceu e precisou responder ao mesmo questionamento feito a Osmar. Em 2016, ela assinou o licenciamento da Cargill.

“Na condição de superintendente, eu apenas assino as licenças. Eu não faço a análise técnica dos processos e confio no trabalho que é feito pelos engenheiros”, respondeu. Gabriela explicou que são feitas duas vistorias nas empresas, uma durante o processo de emissão da licença e outra quando a ela é concedida.

Além dos vereadores citados, estavam presentes na reunião o relator Lucas Kitão (PSL) e os demais membros Gustavo Cruvinel (PV), Jair Diamantino (PSDC) e Welington Peixoto (MDB). O próximo encontro foi marcado para quarta-feira, 4, às 15 horas, na Sala de Reuniões das Comissões.

Fonte: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *