terça-feira, agosto 20, 2019
Início > Geral > Deputados mantêm veto do governador e horário de verão continuará a vigorar em Goiás

Deputados mantêm veto do governador e horário de verão continuará a vigorar em Goiás

A Assembleia Legislativa de Goiás decidiu, nesta terça-feira (12), manter o veto do governador Marconi Perillo ao projeto que exinguiria o horário de verão em Goiás. Foram 19 votos a favor da decisão do Executivo e 9 contrários — eram necessários 25 para que o veto fosse derrubado.

Ao defender a matéria de sua autoria, o deputado Luis Cesar Bueno (PT) pediu aos pares que derrubassem o veto, já que, segundo ele, o fim do horário de verão seria antigo clamor da população. Da tribuna José Nelto (PMDB) afirmou que a alteração anual de horários confunde o relógio biológico, não traz grande economia de energia e prejudica as pessoas que precisam sair de casa muito cedo para trabalhar.

Mesmo fazendo parte da base de sustentação da Governadoria, os deputados Lincoln Tejota (PSD) e Henrique Arantes (PTB) se manifestaram favoráveis ao fim do horário de verão e declararam que votariam pela derrubada do veto. Santana Gomes (PSL), por sua vez, subiu à tribuna para defender o veto do Governo. Apesar de considerar o horário de verão “indigesto”, o parlamentar apresentou justificativa técnica para que Goiás continuasse a adotá-lo: o território do Estado estaria muito abaixo da linha do Equador.

Horário de Verão

O horário de verão foi instituído pela primeira vez entre os anos de 1931 e 1932, sendo adotado no País esporadicamente até 1967. Após 18 anos sem que a medida fosse novamente utilizada, o horário especial voltou a ser implantado em 1985 e, desde então, é instituído todos os anos como forma de promover economia com a energia elétrica.

Ao apresentar o projeto que extinguiria o horário de verão em Goiás, o deputado Luis Cesar Bueno (PT), não negou que a adoção do horário de verão reduz gastos com energia elétrica durante os meses em que vigora, mas alegou que, para tanto, a população brasileira acaba por sofrer graves consequências. “Ao adiantar em uma hora o relógio, as pessoas passam a se levantar mais cedo, sofrendo no próprio corpo as consequências que isso carreta, como sonolência, fadiga, dores de cabeça, falta de concentração e irritabilidade”, afirmou.

Em sua justificativa o parlamentar escreveu que, expostos os fatos, cabe questionar se essa economia (de 4% a 5%) compensa os “enormes sacrifícios” impostos à população. Ele ainda diz que o horário de verão facilita crimes cometidos durante a madrugada. “A escuridão das primeiras horas da manhã abriga mal feitores de todos os quilates. O risco de ser vítima de assalto, roubos e outras espécies de violência é muito grande”, finalizou.

O projeto foi aprovado na Assembleia em fevereiro, mas acabou vetado pelo governador em abril. A assessoria de imprensa do Executivo esclareceu á época que o projeto foi barrado com base em um parecer técnico da Procuradoria Geral do Estado. De acordo com esse parecer, a inclusão do Estado no horário de verão está dentro de uma legislação federal e não caberia ao Estado, de maneira unilateral, decidir pela mudança.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *