quarta-feira, agosto 21, 2019
Início > Saúde > DF tem 145 novos casos de caxumba em uma semana, aponta relatório

DF tem 145 novos casos de caxumba em uma semana, aponta relatório

O Distrito Federal registrou 145 casos de caxumba entre os dias 16 e 23 de julho, aponta boletim divulgado nesta terça-feira (2) pela Secretaria de Saúde. A alta foi motivada por surtos em instituições de ensino, de acordo com o relatório. O governo não informou dados mais recentes de contaminação pelo vírus.
De acordo com o boletim epidemiológico, o DF registrou 1.158 ocorrências da doença em moradores do DF desde janeiro. As regiões administrativas mais afetadas, a cada 100 mil habitantes, são SIA (907,1), Varjão (346,5) e São Sebastião (119).
A “explosão de casos” no SIA é explicada, segundo o GDF, pelos surtos registrados no Centro de Progressão de Pena (CPP), onde 80 detentos foram diagnosticados com a doença entre janeiro e fevereiro deste ano.
Até o dia 23 de julho, a Secretaria de Saúde registrou 42 surtos isolados nas regiões de Asa Sul, Ceilândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Lago Sul, Núcleo Bandeirante, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Sobradinho, Riacho Fundo I e Taguatinga. Dos surtos registrados, 24 ocorreram em escolas, 11 em residências e uma no CPP.
Os diagnósticos foram feitos, na maioria, entre homens e adultos de 20 a 39 anos. Apenas Ceilândia, Taguatinga e São Sebastião, somadas, concentram 41,4% dos casos.
Sintomas
Febre, calafrios, dores de cabeça, musculares – ao mastigar ou engolir – e fraqueza são os sintomas mais comuns da caxumba. A doença também é caracterizada pelo aumento de glândulas salivares, que fazem o rosto inchar.
A incubação do vírus (período de contaminação até aparecerem os primeiros sintomas) pode variar de 12 a 25 dias. Em média, os primeiros sinais começam a se manifestar do 16º ao 18º dia.
Transmissão
A caxumba é transmitida por meio de gotículas de saliva de pessoas infectadas. Como não existe tratamento específico para a doença, a melhor forma de combate é a vacinação ainda quando criança. A doença tem maior circulação no período de temperaturas mais baixas, como na primavera e inverno.

 

Publicado originalmente pelo site do G1

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *