domingo, agosto 18, 2019
Início > Entretenimento | Fama > Em São Paulo, Roger Waters chama Bolsonaro de neofascista e divide plateia

Em São Paulo, Roger Waters chama Bolsonaro de neofascista e divide plateia

Roger Waters não decepcionou quem esperava dele um show cheio de música, espetáculo visual e muito discurso político na abertura da porção brasileira da turnê “Us + them” , nesta terça à noite, na Arena Palmeiras, em São Paulo . Embora o presidente americano Donald Trump continue sendo o alvo preferido do cofundador do Pink Floyd, o candidato à presidência do Brasil pelo PSL, Jair Bolsonaro , foi mencionado algumas vezes direta e indiretamente na apresentação.

A primeira vez foi durante intervalo que Waters e banda fizeram após a execução da seminal “Another brick in the Wall”, que contou com a participação de meninos e meninas de comunidades paulistanas acompanhando a música numa espécie de coreografia. Vestidos com macacões laranja, como prisioneiros americanos, eles terminam o número exibindo camisetas com a inscrição “Resist” (resista, em inglês).

Já no intervalo, o grande telão que ocupa toda a extensão do palco exibiu vários slides com exemplos de personagens, tendências e comportamentos que merecem resistência. Em um deles, estava escrito que devemos resistir “ao neofascismo”. E, em seguida, o telão mostrou exemplos de países e líderes políticos onde o neofascismo estaria em ascensão. Um dos países citados foi o Brasil e o líder apontado é Bolsonaro.

Foto: Alessandro Giannini / Agência O Globo

Mais para o final do show, após outro grande sucesso do Pink Floyd, “Eclipse”, o telão exibiu pela primeira vez a inscrição #Ele não, em referência à campanha nas redes sociais contra o voto em Bolsonaro. Antes de começar o bis, que teve “Mother” e “Confortably numb”, Waters recebeu vaias e aplausos do público durante pelo menos três minutos, numa disputa que claramente foi vencida pelos admiradores do roqueiro e de sua música.

Em um discurso breve, o músico afirmou saber que há uma eleição em andamento no país e que “não tem nada a ver com isso”. Mas, disse ele, não poderia deixar de se posicionar:

— Eu sou a favor dos direitos humanos — afirmou ele, que agradeceu o carinho do público. — Prefiro estar num lugar em que o líder não acredita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do sul e não foi bonito.

Fonte: Mais Goias

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *