quinta-feira, maio 23, 2019
Início > Cidades > Estação Ferroviária de Goiânia é entregue restaurada nesta sexta-feira (10)

Estação Ferroviária de Goiânia é entregue restaurada nesta sexta-feira (10)

Depois de muitos anos em situação de abandono, a Estação Ferroviária de Goiânia, que fica na Praça do Trabalhador, foi restaurada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a prefeitura da capital. Após 17 meses de obra, o edifício, que é considerado Patrimônio Cultural Nacional, será entregue nesta sexta-feira (10).

O prédio passou por obras de recuperação em toda a estrutura, como pisos e cobertura, além de novas pintura, instalações e disposição dos espaços. Três elementos simbólicos da estação ganharam destaque: a locomotiva, conhecida como Maria Fumaça, foi realocada na plataforma de embarque para acesso e conhecimento do público; o tradicional relógio da torre, recuperado, os dois painéis de Frei Confaloni, restaurado e disposto com os afrescos originais.

A obra também permitiu a requalificação urbana de uma área ao redor da Estação Rodoviária, que recebeu pavimentação, novo paisagismo, iluminação e mobiliário. De acordo com o Iphan, foram investidos na obra R$ 5,87 milhões pelo PAC Cidades Históricas, programa do Governo Federal conduzido pelo instituto, que ressalta a responsabilidade da Prefeitura de Goiânia na manutenção e uso do espaço.

O órgão também sublinha que, aoo todo, o Estado recebeu R$ 48,6 milhões de investimentos no Patrimônio Cultural, o que coloca Goiás como o primeiro do país a concluir todas as obras do programa.

Segundo a prefeitura de Goiânia, o local passará a sediar a terceira unidade do “Atende Fácil”, onde a população poderá resolver pendências com as secretarias de Finanças (Sefin), Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh), Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (Sedetec), Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT), além da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) e da Vigilância Sanitária. O objetivo é transformar o local em um centro de convivência.

Segurança 

A praça do trabalhador, que engloba a Estação Ferroviária, passou longos anos em uma situação de depredação e abandono. A presença de moradores de rua e usuários de drogas preocupam comerciantes e pessoas que precisam passar pelo local. Em outubro de 2018, por exemplo, a praça palco de uma situação horrenda; um corpo foi encontrado amarrado em cobertores na posição fetal.

Por isso, a Guarda Civil Metropolitana realiza preparativos para que o espaço se torne, de fato, um local de convivência. Segundo o comandante da corporação em Goiânia, José Eulálio Vieira, o local será monitorado 24 horas por dia. No período da noite, dois guardas farão a vigia do prédio.”Para evitar que os moradores de rua e usuários de drogas permaneçam no local, nós teremos um ponto de apoio na Estação Rodoviária, bem como viaturas exclusivas para a praça”, explica. Caso, alguém seja vítima de algum delito na região, o número da Guarda Civil Metropolitana é 153.

A Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) também informou sobre os trabalhos que estão sendo desenvolvidos na região para diminuir a presença de moradores de rua e usuários de drogas. Segundo o gerente do serviço especializado para pessoas em situação de rua, Weliton Carlos Pereira, a equipe a dignidade dessas pessoas é uma preocupação. “Nós informamos essa população sobre o curso de capacitação oferecido pelo Ministério de Trabalho que remunera esse cidadão e garante a ele a dignidade”. Explica Weliton.

No caso de dependentes químicos, Weliton reforça que a gestão ampliou parcerias com comunidades terapêuticas, que receberão os voluntários para tratamento. Outra parceria com Organizações não governamentais, segundo ele, irá desestimular a permanência desse público no local. “Combinamos para que realizem os trabalhos sociais em outras localidades para que isso não gere um comodismo por parte dos moradores”.

O gerente também disse que existe uma parceria com ONGs para que o trabalho dessas entidades não sejam realizados na praça, para não gerar um comodismo por parte desses moradores. Ele ressalta que foi ampliada a parceria com comunidades terapêuticas para encaminhar aquele morador com vícios.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *