terça-feira, julho 16, 2019
Início > Cultura > Festival de Brasília premia ‘A Cidade Onde Envelheço’

Festival de Brasília premia ‘A Cidade Onde Envelheço’

Marcado do princípio ao fim por protestos contra o governo de Michel Temer, o Festival de Brasília termina sob o signo de uma dissonância interna. Enquanto o júri oficial escolhe como vencedor a ficção intimista A Cidade Onde Envelheço, de Marília Rocha, o público, aplaudindo de pé, consagra o engajado documentário Martírio, de Vincent Carelli. Não é raro que júri popular e oficial divirjam. Mas poucas vezes se viu divisão tão aprofundada quanto nesta 49.ª edição do mais antigo festival de cinema do País.

A cerimônia já começou com anticlímax, quando para Martírio foi anunciado o Prêmio Especial do Júri, considerado uma espécie de prêmio de consolação. Jogou o clima da noite no chão.

Após o início frustrante, foram anunciados os prêmios. A Cidade onde Envelheço ficou com quatro troféus Candango – filme, direção (Marília Rocha), atriz (dividido entre Elizabete Francisca e Francisca Manuela) e ator coadjuvante (Wederson Neguinho). O filme é simpático e bem construído do ponto de vista narrativo. Fala das experiências de duas jovens portuguesas que decidem morar em Belo Horizonte e fazem curiosas observações sobre o Brasil. Seu tom, mais feminino que feminista, deve ter tocado fundo um júri composto em sua maioria por mulheres. Ao não premiar Martírio, no entanto, perdeu a chance de entrar em sintonia com o clima de uma edição histórica e politizada do festival.

O expressivo ‘faroeste’ gaúcho Rifle, visão original sobre o conflito pela terra no País, ficou com roteiro e som, além de levar o prêmio da crítica, dado pela Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema).

O supervalorizado O Último Trago ficou com os troféus de atriz coadjuvante (Samya de Lavor), fotografia e montagem. O delicado documentário sobre casais cubanos, Vinte Anos, levou apenas o de trilha sonora, enquanto o intenso Elon Não Acredita na Morte ficou com o troféu de ator (Rômulo Braga). O melhor curta foi a animação Quando os Dias Eram Eternos.

E a entrega de prêmios seguia em batida monótona no Cine Brasília até que foi anunciado o prêmio do Júri Popular para Martírio, densa e contextualizada imersão no genocídio dos guaranis caiovás. Aí a plateia acordou. O filme, já consagrado com vários minutos de aplausos quando de sua exibição, repetiu a experiência na premiação. Foi o momento mais emocionante da noite.

Outro foi a entrega da recém-criada medalha Paulo Emilio Sales Gomes ao homenageado, o crítico, professor da USP e ator Jean-Claude Bernardet, que acaba de completar 80 anos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *