sábado, julho 20, 2019
Início > Geral > Franceses intensificam protestos contra reforma trabalhista; Hollande reitera que ‘não irá recuar’

Franceses intensificam protestos contra reforma trabalhista; Hollande reitera que ‘não irá recuar’

Jornada de mobilização nesta quinta-feira teve paralisações e marchas em todo o país; presidente francês diz que vai manter mudanças porque ‘são boas’

Redação | São Paulo

O presidente da França, François Hollande, reiterou nesta sexta-feira (27/05) que não irá recuar sobre a reforma trabalhista diante dos crescentes protestos no país contra a flexibilização dos direitos dos trabalhadores.

“Vou manter [as mudanças] porque acredito que esta é uma boa reforma”, declarou Hollande em intervalo da reunião do G7, que se encerra hoje no Japão.

Nos últimos dias, sindicatos franceses intensificaram as paralisações e manifestações, iniciadas em março, contra a reforma. Trabalhadores bloquearam o acesso a refinarias de petróleo e depósitos de combustíveis, causando escassez do recurso em todo o país.

As barricadas foram desmontadas e autoridades afirmam que somente uma refinaria continua bloqueada, mas os efeitos do distúrbio na distribuição de combustíveis devem durar ainda alguns dias.

Nesta quinta-feira (26/05), os franceses realizaram marchas em várias cidades do país em uma jornada de mobilização contra a reforma. Os sindicatos estimam que 300 mil pessoas tenham participado das manifestações, enquanto as autoridades francesas estimam a participação de 153 mil pessoas.

Em Paris, os sindicatos estimaram 100 mil pessoas na manifestação entre as praças da Bastilha e da Nação, enquanto a polícia contou cerca de 20 mil. Segundo o Ministério do Interior francês, 77 pessoas foram detidas no país, 36 delas na capital, e 15 agentes das forças de segurança ficaram feridos nos confrontos.

No fim do dia, oito sindicatos franceses lançaram um comunicado em que prometem intensificar as ações.

“Estamos dispostos a ir até o fim. O objetivo das manifestações e das greves é a retirada completa do texto porque é uma volta ao século 19”, afirmou um sindicalista da divisão de pesquisa da CGT à Agência Efe nesta quinta-feira.

Também na quinta-feira, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, defendeu que “não será modificada a filosofia geral do texto”, e principalmente o artigo 2, que estabelece a primazia da negociação dentro da empresa, em detrimento dos convênios coletivos.

Alterações
Um dos principais pontos da reforma trabalhista é alterar a jornada de 35 horas de trabalho semanais. O limite seria oficialmente mantido, mas será permitido às companhias organizar horas de trabalho alternativas — como trabalhar de casa — o que, no final, poderia resultar em até 48 horas de trabalho por semana. Em “circunstâncias excepcionais”, o limite poderá ser de até 60 horas por semana.
Além disso, a proposta permite que as empresas deixem de pagar as horas extras aos funcionários que trabalharem mais de 35 horas por semana, recompensando-os com dias de folga.
Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *