terça-feira, junho 25, 2019
Início > Cidades > Fraudes na Saneago são apuradas pela PF na terceira fase da Operação Decantação

Fraudes na Saneago são apuradas pela PF na terceira fase da Operação Decantação

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (4) a terceira fase da Operação Decantação. Nesta etapa, estão sendo cumpridos três mandados de prisão temporária e 15 de busca e apreensão em Goiânia e Inhumas. O objetivo é desarticular uma associação criminosa na Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) especializada em fraudes de licitação e desvio de verbas públicas. Segundo a investigação, crimes foram praticados por empresários, dirigentes das empresas e agentes públicos do governo estadual entre os anos de 2012 e 2016.

São alvos nesta etapa da operação um grupo de 11 empresas prestadoras de serviços à Saneago suspeitas de fraudarem pelo menos oito procedimentos licitatórios na modalidade Carta Convite, além de outras 83 contratações realizadas mediante dispensa de licitação entre nos anos de 2012 e 2018.

Materiais colhidos na primeira fase da Decantação revelaram que empresas de fachada foram criadas para que os envolvidos participassem dos processos licitatórios cujos resultados eram fruto de ajustes pré-determinado pelo grupo de empresários. Quatro dessas companhias ficaram responsáveis pela execução de 61 obras em Goiás entre 2012 e 2018.

Os crimes, apurou a PF, foram praticados com apoio de um membro da Comissão de Licitação e de um pregoreiro da Comissão Permanente de Licitação da Saneago.

Ao todo, 60 policiais federais estão dando cumprimento nos mandados de prisão e apreensão expedidos pela 11º Vara Federal de Goiás. Também foi determinado o afastamento da função pública de dois servidores da companhia de saneamento.

Histórico

Em outras fases da Operação Decantação, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do ex-governador José Eliton e prendeu ex-gestores da estatal, além de sócios da empresa que eram favorecidos pelo esquema.

Os crimes de associação criminosa, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa e fraudes em processos licitatórios, somados, podem render até 41 anos de prisão.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *