sexta-feira, março 22, 2019
Início > Saúde > Funcionários do Hugo realizam paralisação por tempo indeterminado a partir desta terça-feira

Funcionários do Hugo realizam paralisação por tempo indeterminado a partir desta terça-feira

Em assembleia realizada na noite de hoje (22/10), trabalhadores terceirizados do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) aprovaram a paralisação de parte serviços, por tempo indeterminado a partir das 7h30 desta terça-feira (23/10). O ato deverá afetar todas as áreas do hospital, exceto a UTI e emergências.

De acordo com o Sindicato dos Servidores da Saúde de Goiás  (SindSaúde-GO), os trabalhadores reivindicam o pagamento do salário, que hoje completa 22 dias de atraso, a contratação de pessoal e a melhoria de condições de trabalho. O sindicato afirma ainda que as pessoas estão expostas à sobrecarga e à falta de materiais e insumos indispensáveis para a realização dos serviços.

A presidente do SindSaúde-GO, Flaviane Alves Barbosa, afirmou que espera que o governo tome providências o mais rápido possível. “Nem os trabalhadores nem a população podem pagar por esses problemas. O Estado precisa cumprir o seu papel e pagar rapidamente a Organização Social e os fornecedores. Não se faz saúde sem investimento”, concluiu.

Uma funcionária do hospital que não quis se identificar contou ao Mais Goiás que a categoria sofre também com assédio moral e falta de reajuste salarial. “Além do atraso do pagamento, nossos salários não são reajustados há dois anos. Uma colega nossa tomou duas advertências a uma suspensão porque chamava as pessoas para a assembleia”.

A mesma funcionária afirmou que a falta de materiais é frequente e impede a realização de serviços básicos. “Todo dia falta alguma coisa aqui. Semana passada não tínhamos nem seringa para aplicar a medicação nos pacientes”, alertou.

Mais Goiás tentou contato com a organização social Gerir, responsável pela administração do Hugo, mas nossas ligações não foram atendidas até o fechamento da matéria.

Interdição

A superintendência Regional do Trabalho de Goiás (SRT-GO) e o Conselho Regional de Enfermagem de Goiás (COREN-GO) encaminharam ao Ministério Público Federal (MPF) uma representação criminal contra a Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES) e a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS). O documento foi encaminhado depois que as Secretarias descumpriram termo de interdição que solicita que o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) suspenda o atendimento de novos pacientes. O motivo é a falta de medicamentos, insumos e riscos para médicos, equipe de enfermagem e farmacêuticos.

Em nota, a SES comunicou que “elaborou no início da semana passada as ações do plano de contingência para garantir o funcionamento do Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo). Tais medidas – que estão sendo seguidas sem abrir mão do importante papel de salvar vidas no Hugo – foram comunicadas aos Ministérios Públicos Estadual e Federal, com os quais a SES-GO tem mantido contato permanente sobre a situação do Hugo e as providências tomadas. Sobre as demais medidas cabíveis, estão a cargo da Procuradoria Geral do Estado”.

Até o fechamento da matéria a SMS não se pronunciou sobre o caso.

Fonte: Mais Goias

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *