domingo, outubro 20, 2019
Início > Cidades > Goiás registra mais de 1,3 mil de casos de hanseníase por ano

Goiás registra mais de 1,3 mil de casos de hanseníase por ano

É celebrado neste domingo (27) o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase e é por isso que neste mês também é realizada a campanha Janeiro Roxo. O objetivo da ação é orientar e conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce e tratamento adequado da doença.

O Brasil tem mais de 30 mil novos casos de hanseníase por ano, sendo o segundo país no mundo com mais registros da doença. Em Goiás, são feitos mais de 1,3 mil registros por ano. Em 2016, a estatística foi de 1.320 casos notificados. Em 2017, foram 1.342 e, em 2018, os dados parciais apontam para 1.321 notificações. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Goiás, os dados representam 20,4/100 mil habitantes no coeficiente de detecção, índice considerado alto de acordo com os parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Foi por acaso que a designer de interiores, Cristiane Valim descobriu que estava com hanseníase. Ao fazer um procedimento estético no rosto, o dermatologista desconfiou de uma mancha próxima ao olho. Cristiane ficou surpresa quando o médico pediu uma biópsia. Segundo ela, na hora levou um susto porque, até então, não tinha percebido nada de diferente.

“Senti vergonha quando o médico disse que era hanseníase. As pessoas ainda têm muito preconceito com essa doença, infelizmente. Também fiquei bem preocupada porque na minha família duas pessoas tiveram hanseníase e ficaram com sequelas”, conta. Como descobriu a doença no estágio inicial, o tratamento foi tranquilo e ela foi curada sem nenhuma sequela.

Normalmente, a doença costuma evoluir lentamente e pode levar até 20 anos para que os sinais da infecção sejam detectados. “Os principais sintomas são manchas na pele que podem ser únicas ou várias e de diferentes formas e tonalidades, sendo claras ou avermelhadas e essas manchas podem provocar também alterações de sensibilidade ao frio, calor e toque”, afirma a dermatologista Paula Azevedo Costa. Outros sintomas são formigamento, sensação de choque, dormência e queimaduras nas mãos e pés pela perda da sensibilidade, além de falta de força e problemas nos olhos.

A doença 

A hanseníase é uma doença infecciosa, causada por um bacilo que acomete a pele e os nervos. A forma de contágio ocorre pelas vias aéreas superiores (ao falar, tossir ou espirrar), por pessoas doentes que não estejam em tratamento. Quando não diagnosticada e tratada precocemente, a hanseníase evolui para incapacidade física, principal responsável pelo preconceito e discriminação às pessoas acometidas pela doença, que tem cura.

Mesmo sendo infectocontagiosa, e ser transmitida pela respiração a partir do contato com pacientes não tratados, a hanseníase tem cura. Apesar de ser uma doença muito estigmatizada que carrega ainda muito preconceito,  o tratamento é simples: um coquetel composto de dois ou três antibióticos, de acordo com a gravidade do caso.

O tratamento tem duração média de um ano e está disponível nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da rede pública. Ele é realizado em ambulatório, sem necessidade de internação e evita o contágio logo na primeira dose.

O tratamento da doença varia de seis meses a um ano, dependendo da quantidade de bacilos e lesões, e os medicamentos são gratuitos e estão disponíveis na rede SUS. Magna Carvalho, gerente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde de Goiás (SES-GO), explica que o diagnóstico precoce e o tratamento oportuno são as principais formas de prevenir as deficiências e incapacidades físicas causadas pela hanseníase.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *