sexta-feira, agosto 23, 2019
Início > Economia > Líder do governo diz que Previdência tem entre 54 e 60 votos favoráveis no Senado

Líder do governo diz que Previdência tem entre 54 e 60 votos favoráveis no Senado

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), manteve nesta terça-feira (16) a previsão de que é possível aprovar a reforma da Previdência na Casa em até 45 dias, contrariando a previsão de 60 dias que havia sido dada, um dia antes, pela presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), Simone Tebet (MDB-MS).

Além disso, Bezerra afirmou que o governo tem entre 54 e 60 votos a favor da reforma. Para que ela seja aprovada em plenário, etapa subsequente à CCJ, são necessários 49 votos favoráveis em dois turnos.

“A avaliação nossa é que o governo deverá ter, para votação da reforma da Previdência, entre 54 e 60 votos, mais ou menos. Isso para o texto que sair da Câmara. O tema da Previdência é mais que um tema de governo. Todos reconhecem a importância de equilibrar as contas públicas”, afirmou o líder do governo do Senado.

Bezerra disse que a expectativa é que a Câmara conclua a votação da PEC (proposta de emenda à Constituição) entre os dias 7 e 8 de agosto e, a partir daí, a promulgação se dê 45 dias depois, em setembro.

“Se o debate se esgota na CCJ, a gente poderá ter a votação numa semana e, numa segunda semana, o segundo turno”, disse o senador.

Na segunda-feira, Simone Tebet disse que 45 dias era um prazo otimista e que considerava 60 dias um prazo mais realista, já que na CCJ precisaria ter entre três semanas e um mês.

Um dia depois, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), concordou com Tebet e também aumentou sua projeção de 45 para 60 dias.

“Estamos harmonizados em relação aos prazos”, disse Davi.

Outra questão que divide opiniões é sobre a inclusão de estados e municípios numa PEC paralela que está sendo elaborada pelo relator da reforma da Previdência no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE). Tasso não quer mexer na PEC original que vier da Câmara para não atrasar ainda mais a promulgação. Isso porque, se o Senado fizer qualquer mudança, o texto tem que retornar à Câmara.

Por isso, eventuais alterações serão feitas nestas outra PEC. Simone Tebet defendeu que, para dividir o ônus político, o Congresso apenas crie um dispositivo para que prefeitos e governadores façam suas  próprias reformas.

Bezerra defende o texto de Tasso, que resolve a questão de estados e municípios.

“Aqui é a Casa da Federação. O Senado representa os estados brasileiros, cada estado tem três senadores. Não faz sentido você ter uma reforma com 27 sistemas previdenciários distintos. Aqui no Senado, certamente, vai ser aprovada a inclusão de estados e municípios”, afirmou Bezerra, que estima em 90 dias o prazo para a promulgação desta segunda PEC.

O líder do governo no Senado diz acreditar em um clima mais favorável na Câmara para carimbar esta segunda PEC que virá do Senado. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tentou um acordo para já incluir estados e municípios na PEC original, mas não obteve sucesso.

Davi também é favorável à inclusão na PEC. “Nesse caso, se o relator da matéria, o senador Tasso, tem o desejo de incluir, se é o sentimento do Senado como Casa da Federação, eu espero que o Senado possa debater e incluir estados e municípios na nova Previdência”, disse o presidente do Senado.

Mas a reforma da Previdência não será o único item da pauta no segundo semestre. Bezerra disse que a proposta de novo marco legal do saneamento, que sofrerá alterações na Câmara, retornará ao Senado em setembro e que, até o fim de agosto, será votada no Senado a lei geral das telecomunicações.

No início de agosto, quando os parlamentares retornarem do recesso parlamentar, também terão que se debruçar sobre a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). Congressistas saíram de férias sem aprová-la.

Outra pauta  que  deve ser enfrentada é a reforma tributária. Há ao menos quatro propostas em jogo. A do governo deve ser entregue ao Legislativo em agosto, segundo Bezerra. Mais cedo, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, havia dito que a proposta seria encaminhada ainda em julho.

“A proposta é boa, vai pelo lado da simplificação, do combate à evasão, cria um sistema alternativo para que os estados possam ir aderindo”, disse Bezerra após apresentação de Cintra ao presidente Jair Bolsonaro e sua equipe.

Por: Folha Press

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *