sábado, setembro 21, 2019
Início > Cidades > Médium é investigado sob suspeita de venda de pedras falsas

Médium é investigado sob suspeita de venda de pedras falsas

Além dos mais de 500 relatos de abuso sexual, o Ministério Público e a Polícia Civil de Goiás investigam o médium João de Deus por, supostamente, vender pedras preciosas falsas como verdadeiras. A denúncia foi feita por um negociador e gerou a abertura de um inquérito pela Delegacia de Investigações Criminais de Goiânia, que suspeita de estelionato.

Nesta terça (18), a Casa Dom Inácio de Loyola, espécie de hospital espiritual onde o médium fazia atendimentos, foi alvo de uma operação de busca e apreensão de mídias, como celulares e computadores, que pudessem comprovar a prática de crimes no local.

Preso preventivamente desde domingo (16) em Aparecida de Goiânia (GO), o médium teve o pedido de habeas corpus negado liminarmente nesta terça pelo desembargador Jairo Ferreira Júnior, do Tribunal de Justiça de Goiás.

João de Deus foi questionado sobre o suposto golpe com pedras preciosas em depoimento no domingo e afirmou que “nunca forneceu certificados quando da venda das referidas pedras”. O nome do denunciante está em sigilo.

A exploração de pedras preciosas está entre as diversas atividades do médium, que incluem a venda de “remédios” na Casa Dom Inácio, lojas, imóveis e sete fazendas. Os relatos sobre a venda de pedras falsas, dizem investigadores, ainda são genéricos. As apurações serão aprofundadas num segundo momento.

Na operação, policiais solicitaram documentos sobre as finanças da casa Dom Inácio. A Promotoria investiga se houve movimentação nas contas do médium de R$ 35 milhões na última semana.

Em seguida, policiais visitaram locais onde João de Deus realiza atendimentos, como a “sala das correntes”, onde fiéis fazem meditação, e outros locais apontados em denúncias por mulheres que relatam terem sido vítimas de abuso -o médium nega as acusações.

Os policiais também estiveram na residência do médium em Abadiânia e na Casa da Sopa, instituição filantrópica fundada por ele.

O advogado Ronivan Peixoto Júnior, que acompanhou as buscas, diz que funcionários deram acesso a todos os documentos solicitados. Sobre o habeas corpus, o advogado Alberto Toron informou que o julgamento final do pedido deverá se dar após o recesso do Judiciário. “Discordamos da decisão e vamos recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça)”, afirmou.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *