segunda-feira, junho 24, 2019
Início > Mundo > Missão israelense que tentou pouso privado na Lua falha

Missão israelense que tentou pouso privado na Lua falha

Terminou em fracasso, nesta quinta-feira (11), a primeira tentativa privada de realizar um pouso na Lua. O módulo Beresheet (“no princípio”, em hebraico), da organização israelense SpaceIL, perdeu contato durante o procedimento de descida, a apenas 149 metros da Lua, numa falha durante a aproximação final.

Aparentemente, o motor principal falhou na fase final do pouso e se desligou, deixando o veículo em queda livre. Os engenheiros ainda conseguiram reativá-lo, mas aparentemente foi tarde demais. Ainda não está claro exatamente o que deu errado, mas é certo que a missão não foi bem-sucedida e deve ter se espatifado em solo lunar. A perda de contato aconteceu às 16h25 (de Brasília).

“Primeiro você falha, aí você tenta de novo”, disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que estava no centro de controle para acompanhar a descida. “Tivemos uma falha na espaçonave, infelizmente não conseguimos pousar com sucesso”, disse Opher Doron, gerente-geral da Israel Aerospace Industries (IAI), a fabricante do Beresheet. “É uma realização tremenda até aqui.”

De fato, resta à equipe da SpaceIL o entusiasmo de ter tornado seu país o sétimo no mundo a orbitar a Lua com sucesso (depois de Rússia, EUA, China, Índia, Japão e os países congregados na Agência Espacial Europeia) e o quarto a tentar chegar à superfície de forma controlada -ainda que não de forma bem-sucedida.

Também foi a primeira missão privada a orbitar a Lua. Sua última imagem, obtida a 22 km de altitude, mostrava a bandeira israelense, com os dizeres “Small country, big dreams” (“país pequeno, grandes sonhos”).

Iniciada em 2011, a Beresheet nasceu quando a SpaceIL se inscreveu para disputar o Prêmio X Lunar Google, competição que oferecia US$ 20 milhões a quem conseguisse pousar na Lua com um robô, tirar fotos, e deslocar-se até 500 metros pela superfície.

O concurso terminou sem vencedores, mas a SpaceIL não desistiu de voar e continuou a desenvolver seu módulo de pouso, que tem apenas 180 kg (fora o combustível).

Na última quinta (4), a nave se encontrou com o satélite natural e, ativando novamente seus propulsores por seis minutos, ajustou a velocidade para ser capturada pela gravidade lunar, numa órbita com perilúnio (ponto de aproximação máxima da superfície lunar) de 470 km. Ajustes nos dias subsequentes colocaram a Beresheet numa órbita com perilúnio de apenas 15 km – praticamente a mesma altitude de um voo de avião comercial.

A etapa final consistia em realizar uma última queima dos propulsores, durante 20 minutos, até concluir a alunissagem. Os israelenses chegaram muito perto de conseguir.

Foram investidos US$ 100 milhões no projeto, provenientes de doadores privados, e, apesar do fracasso, é improvável que este seja o ponto final da história. O módulo segue sendo aperfeiçoado e novas tentativas devem acontecer no futuro.

A ideia é desenvolver um veículo que possa realizar missões comerciais à Lua. A própria ESA (Agência Espacial Europeia) se mostrou interessada na tecnologia do Beresheet. Mas, claro, antes que isso possa acontecer, os engenheiros terão de descobrir exatamente o que deu errado.

Por: Folha Press

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *