sábado, setembro 21, 2019
Início > Cultura > Os 130 anos de Cora Coralina: a mulher que reescreveu a história de Goiás com poesia

Os 130 anos de Cora Coralina: a mulher que reescreveu a história de Goiás com poesia

Cora Coralina faria 130 anos nesse dia 20 de agosto. A escritora goiana mais reconhecida do país marcou época por registrar o ponto de vista feminino, desvelar preconceitos de seu tempo e ajudar a reorganizar a história oficial de Goiás e do Brasil. Em sua obra estão temas do cotidiano das mulheres, dos velhos e das crianças. Abordagens críticas de estética ímpar documentam os excluídos e marginalizados dos séculos XIX e XX.

Através de Cora vemos o castigo dos cacos de vidro amarrados ao pescoço das crianças, as prostitutas punidas com cabeças raspadas e a Igreja disciplinando corpos. A escritora foi umas das precursoras no enfrentamento à dominação cultural da sociedade machista. Escreveu sobre os temas que a rodeavam e transgrediu as normas sociais por ser uma mulher escritora que exaltou a liberdade das mulheres.

Nascida na cidade de Goiás em 1889, foi batizada como Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas e escolheu Cora Coralina. “Gosto muito deste nome, que me invoca”, escreveu o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade no Jornal do Brasil, em dezembro de 1980, encantado com a goiana.

Drummond cravou: “Cora Coralina, pra mim a pessoa mais importante de Goiás. Mais do que o governador, as excelências parlamentares, os homens ricos e influentes do Estado. Entretanto, uma velhinha sem posses, rica apenas de sua poesia, de sua invenção”.

Cora cresceu em meio ao processo de mudanças na vida das mulheres – que aos poucos conquistou acesso à educação e espaços nunca antes ocupados na sociedade. Frequentou as primeiras séries do ensino primário e aos 14 anos escreveu os primeiros textos. Com 21 anos, grávida, saiu de Goiás para São Paulo com seu futuro marido.

De volta a Goiás

Ela voltou viúva para a agora conhecida casa velha da ponte, às margens do Rio Vermelho, em Goiás, onde foi doceira de reconhecida mão cheia. O primeiro livro veio em 1965: Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais, que foi lançado quando ela tinha 76 anos. O livro foi enviado para vários escritores. Drummond foi um deles e ajudou na projeção nacional da escritora. O mineiro louvou ao país a idosa de versos singelos e libertários.

(Foto: reprodução/Internet)

Pesquisadores e críticos literários apontam que os excluídos – com ênfase nas questões das mulheres – e os problemas sociais circundaram a poesia de Cora. A obra se mostra atual e de importante registro, uma vez que pouco foi superado e as feridas das desigualdades de gênero e desigualdades econômicas seguem expostas nos dias de hoje.

“Ela (Cora) se coloca junto aos humildes, defende-os com espontânea opção, exalta-os, venera-os. Sua condição humanitária não é menor do que sua consciência da natureza. Tanto escreve a Ode às Muletas como a Oração do Milho”, analisou Drummond, ainda no texto de 39 anos atrás.

Mulher forte

A personalidade forte e marcante na obra; o fato de ter vencido todos os obstáculos da vida de artista; e o dom com as palavras e o dom com a poesia são os motivos que o escritor Miguel Jorge atribui ao sucesso empreendido por Cora Coralina desde sua primeira publicação.

“Em cada obra poética sentimos a emoção e os sentimentos de uma mulher comum e lutadora que sabia se expressar através dos versos”, diz o escritor que sucedeu Bernardo Élis na cadeira de número 18 da Academia Goiana de Letras (AGL).

A obra de Cora “é de sua própria essência, de suas vivências pessoais, seus amores, suas frustrações. Das coisas que a cercavam. Era uma poeta feminista que usava a linguagem do povo”, lembra Miguel Jorge.

Casa da escritora Cora Coralina, na Cidade de Goiás (Foto: Patrick Grosner/Folhapress)

Na biografia de Cora estão: Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais (1965), Meu Livro de Cordel (1976), uma segunda edição de Poemas dos becos de Goiás (1978), Vintém de cobre – meias confissões de Aninha, (1984), Estórias da Casa Velha da Ponte (1985) e o livro infantil Os meninos verdes (1985).

A escritora faleceu em Goiânia, em 10 de abril de 1985, aos 95 anos. Quatro meses antes ela havia sido eleita para a Academia Goiana de Letras (AGL), para a cadeira de número 38. Após a morte de Cora, a velha casa da ponte foi transformada no Museu de Cora Coralina. O local guarda manuscritos, livros, objetos pessoais e as correspondências trocadas durante anos entre a escritora e o amigo Carlos Drummond.

Um ano para Cora

Para homenagear dos 130 anos de Cora, o governo de Goiás decretará nessa terça-feira (20), na cidade de Goiás, o Ano Cultural Cora Coralina. A iniciativa do governo e tem como proposta promover eventos para exaltar a escritora. Estão previstas inúmeras atrações, que incluem saraus literários, oficinas, concursos de redação, exibições audiovisuais, exposições, concurso literário, entre outras atividades.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *