domingo, outubro 20, 2019
Início > Política > Para o governo, a publicidade mais barata do mundo é na Fórum

Para o governo, a publicidade mais barata do mundo é na Fórum

audiencia-forum

Mais uma vez o jornalista Fernando Rodrigues tenta desqualificar recursos de publicidade governamental recebidos pela mídia alternativa. Comparação com veículos tradicionais, no entanto, mostram que a realidade é outra

Por Redação

O jornalista Fernando Rodrigues publicou, em seu blogue no Uol, dados a respeito das verbas do governo federal (o que inclui gastos de estatais) direcionados a veículos da mídia alternativa. Logo no início, afirma que houve crescimento de 33,2% das verbas federais de publicidade” para estes veículos, saindo de R$ 6,9 milhões em 2013 para R$ 9,2 milhões no ano passado.

Visto de forma isolada, o número diz pouco. Até porque não houve aumento de recursos apenas para esse tipo de mídia, mas para a internet em geral, como mostra o próprio jornalista em outro post. Os quatro grandes portais da internet – Uol, G1, R7 e Terra – receberam R$ 195.698.717 em 2014, R$ 36.414.521 a mais em relação a 2013, um aumento de 22%. Fazendo uma conta simples, o que os dez sites alternativos mencionados receberam em 2014 equivale a 4,7% do que ganharam somente os quatro principais portais.

Mais uma vez, o jornalista também faz uma conta equivocada. “Uma vez apurado o número de visitantes únicos, calculou-se para esta reportagem qual foi a média mensal que cada veículo recebeu de verbas publicitárias estatais federais. Ao cruzar os 2 dados, chega-se ao valor de cada ‘visitante único’.”

Mal comparando, isso seria como analisar a audiência média de uma emissora de TV e decidir anunciar em um programa que passa de madrugada para se atingir este público. O próprio Rodrigues reconhece isso no trecho: “no caso de portais como Globo.com/G1 e UOL, o custo por visitante único (se todos fossem atingidos com um anúncio num mês) seria de R$ 0,03 (3 centavos) –considerando-se a audiência desses portais e o quanto o governo pagou para colocar propaganda nas suas páginas”. O grifo nosso mostra uma situação ideal que não existe: um anúncio em um portal, que vende publicidade segmentada, não vai atingir todo o público que o acessa.

Ou seja, não é possível analisar a efetividade de uma peça publicitária apenas pela audiência média dos sites. Por isso o mercado publicitário trabalha com o conceito de “entrega” de audiência, pagando conforme o número de page views alcançado. Isso sem contar a diferença de tabelas. Anunciar em um portal é, via de regra, muito mais custoso (e nem sempre mais efetivo) do que em muitos dos sites citados por Rodrigues.

O que surpreende, no entanto, é que mesmo considerando os critérios questionáveis do jornalista, o custo da publicidade governamental na Fórum seria de 1 centavo por visitante único, três vezes menos do que no Uol e no G1, por exemplo. Levando-se em conta critérios mais corretos, como dito no parágrafo acima, essa diferença seria muito maior.

Tais dados só evidenciam uma coisa. Existe um abismo entre o que a mídia alternativa e a tradicional recebem. Ainda mais se for considerado que grandes portais estão ligados a conglomerados de mídia como Globo, Record e Folha, que recebem recursos de anúncios do governo em outros segmentos. Em 2014, a Globo, por exemplo, recebeu em publicidade governamental televisiva mais de R$ 565 milhões. “O volume de publicidade para os veículos da mídia alternativa são insignificantes. Mesmo o veículo que recebeu mais, recebeu pouco. São esses os veículos que têm garantido alguma pluralidade informativa na cobertura política do país nos últimos anos”, afirma o editor da Fórum, Renato Rovai.

Fórum também desconhece os critérios utilizados pela Nielsen, nos quais se baseia Fernando Rodrigues para analisar a audiência dos veículos. Mas, pelo Google Analytics, a média mensal de acessos é bem distinta do que diz o blogue do Uol. Abaixo, os números de outubro de 2014.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *