quarta-feira, outubro 23, 2019
Início > Política > PPL: Telma Rufino está sendo alvo de uma perseguição política, afirma filiado fundador do partido.

PPL: Telma Rufino está sendo alvo de uma perseguição política, afirma filiado fundador do partido.

O filiado que prefere não se identificar diz que não se mostrou surpreso com as agressões e declarações caluniosas feitas pelo Secretário Nacional do PPL para o Centro-oeste , Roberto Bittencourt (Mais conhecido entre os filiados do PPL no DF como “O DITADOR”) em entrevista ao Jornal Correio Braziliense contra a deputada distrital Telma Rufino (PPL), única parlamentar eleita pela sigla no Distrito Federal.

 

Em na entrevista ao jornal Correio Brasiliense do dia 19 de Agosto de 2015 (veja aqui) o secretário Roberto Bittencourt declarou que não resta dúvidas do envolvimento de Telma Rufino com Edgard Enéas ―principal investigado na operação “trick”― (operação que investiga o esquema que envolve 55 empresas fantasmas e 19 empresas reais que faziam empréstimos fraudulentos no Banco do Brasil).

O filiado afirmou ao blog que nunca em sua vida de militância politica imaginou que uma parlamentar eleita democraticamente pela sociedade civil, pudesse ser tão perseguida por alguém como está sendo agora com este processo de expulsão do PPL. Mas que, estranhamente, não se surpreende com o fato.

O filiado garantiu que o secretário está fazendo um pré-julgamento com informações caluniosas, quando associa Enéas a Telma e que na verdade, não existe qualquer vinculação entre ambos para fins de benefícios ilícitos.

A parlamentar se filiou ao PPL – Partido Pátria Livre ― um ano antes do pleito eleitoral de 2014 com o único objetivo de se candidatar ao cargo de deputada distrital pela sigla. Em lá chegando, Enéas já se encontrava filiado e era subsecretário de Qualificação e Capacitação Profissional da Secretaria do Trabalho do Governo do Distrito Federal por indicação de Marco Antônio Campanella, e Roberto Bittencourt, que na ocasião subsecretário de atenção à saúde, também por indicação de Campanella, que é o principal investigado na CPI dos transportes da CLDF e presidente regional licenciado do PPL no DF.

Na época, Telma era Gerente na Administração de Águas Claras, mas sua indicação se deu pelo então governador Agnelo Queiroz (PT) e sequer conhecia ou sabia quem era Edgard Enéas. O filiado mostrou-se indignado, mas não surpreso com a declaração caluniosa de Bittencourt e que jamais esperava uma atitude tão mesquinha do correligionário.

― “Na qualidade de Secretário Nacional do partido, ele deveria ser uma pessoa mais verdadeira, mais ética, analisar melhor o que fala e ter o mínimo de provas antes de caluniar as pessoas como vem fazendo. Estou enojado, declarou”.

Bittencourt é médico cardiologista e foi nomeado subsecretário de atenção à Saúde em setembro de 2012, e tornou-se conhecido depois que se envolveu em algumas polêmicas como, por exemplo: saiu em defesa da médica que havia recebido voz de prisão de um bombeiro no Hospital de Ceilândia por desacatá-lo e também por omissão de socorro.

O incidente aconteceu quando os bombeiros transportaram uma paciente da QNQ 4 até o hospital com paradas cardíacas. Chegando ao hospital, a paciente teria sido levada para a sala vermelha e recebido os cuidados do S.A.M.U.

A médica que era a única plantonista da noite teria batido boca com os bombeiros questionando se eles sabiam ou não que ela pediu que houvesse restrição do atendimento, pois a secretaria havia deixado a médica sozinha no hospital. Responsável pelo transporte da paciente, o sargento Alan Lins afirmou que foi expulso “aos berros” pela médica da sala vermelha e que cerca de 20 minutos depois soube que a paciente morreu.

O homem deu voz de prisão à profissional por desacato. Daí o subsecretário de atenção à saúde, o Roberto Bittencourt, tentou Justificar o injustificável, declarando que a profissional apenas questionou os militares enquanto acompanhava os procedimentos feitos pelo S.A.M.U. “Informações dão conta que Bittencourt sequer estava no hospital, e por isso não presenciou o fato, logo, não poderia estar declarando nada, visto que não estava no local, não era testemunha de nada”.

A secretaria de saúde à época bem que tentou abafar o caso e não conseguindo, teve que afastar o subsecretário. (A médica ainda responde processos na justiça.)

Bittencourt também é réu em uma ação de despejo movida no Tribunal de Justiça do DF por um dono de imóvel que acusa Bittencourt e Campanella de não pagarem o aluguel e nem ao menos desocuparam o imóvel. O dono tenta reaver na justiça os alugueis atrasados e fazer com que os réus desocupem o imóvel.

No processo, Bittencourt e Campanella devem mais de R$ 59.195,32 em alugueis atrasados e constantes do processo de Nº. 2013.01.1.164256-2 que tramita no TJDFT desde 2013.

O militante acredita na justiça e dentro em breve a população saberá que a deputada, não é a marginal que tentam a transformar.

 

―A população confia nela, e a elegeu por conhecer a sua índole, luta e trabalho pelo povo mais humilde.

Diz também ter a certeza que a parlamentar jamais trairá a confiança dos milhares que nela votaram e que, portanto, é a nós (o povo) que pertence o mandato que ela exerce e não a alguns desacreditados que tentam de alguma sorte se esconder por trás de um mandato parlamentar.

 

.

 

.

 

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *