quarta-feira, outubro 16, 2019
Início > Cidades > Santa Casa de Anápolis suspende atendimentos por falta de rapasse do governo estadual

Santa Casa de Anápolis suspende atendimentos por falta de rapasse do governo estadual

A Santa Casa de Misericórdia de Anápolis emitiu um comunicado oficial nesta segunda-feira (13), informando que irá suspender os atendimentos de Urgência e Emergência a partir de meia-noite desta terça-feira (14). A justificativa é a falta de repasses do Governo de Goiás. A situação, porém, gerou uma contradição entre os discursos da unidade e do Estado, que alega não existir vínculo da administração pública com a instituição.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) alegou, portanto, ser inverídico afirmar que a medida adotada pela entidade seja por falta de repasses estaduais. A pasta também ressalta que trabalha para assinar, nos próximos dias, um convênio com a Santa Casa e, a partir da assinatura, destinar as verbas do estado para o local.

Por outro lado, o provedor e porta-voz da Santa Casa em Anápolis, padre Clayton Bérgamo, afirmou em coletiva de imprensa que a instituição teve vínculo com o Estado de Goiás por 10 anos, porém, o contrato não foi renovado pela atual gestão. “Desde de novembro nós estamos apresentando para o governo a importância da renovação desse convênio porque a estrutura de apoio de pronto atendimento, UTIs, maternidade e oncologia, considera essencialmente esse aporte”, explicou.

Clayton também reforçou que o existe uma obrigação moral do Estado diante de uma rede que está desenhada há mais de 10 anos. Segundo ele, existe um compromisso com a estrutura que já foi criada. O padre reforça que o hospital está há quatro meses sem receber o repasse. “Hoje nós mantemos o hospital com um déficit de mais de R$ 500 mil por mês. A falta desse dinheiro prejudicou toda nossa estrutura”, lamentou o porta voz.

Caso os acertos não sejam quitados retroativamente, alerta o padre, a instituição não terá dinheiro suficiente para manter os atendimentos, uma vez que os “atrasos resultam em um déficit de R$ 2 milhões”. Apesar da situação, a unidade reforça que atendimentos a gestantes e pacientes oncológicos será mantido.

Por: Mais Goiás

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *