quarta-feira, fevereiro 20, 2019
Início > Política > Vereador quer convocar Iris para explicar desocupação de secretaria

Vereador quer convocar Iris para explicar desocupação de secretaria

Com 15 assinaturas, o vereador Elias Vaz (PSB) entrou na sessão de hoje (27) da Câmara com um pedido de convocação do prefeito Iris Rezende, secretário municipal de Educação, Marcelo Costa, e comandante da Guarda Civil Metropolitana, Elton Ribeiro de Magalhães, para que estejam na Casa para esclarecer os atos que culminaram com a desocupação da sede da Secretaria. A convocação consta da Lei Orgânica dos Municípios. Se aprovada pelo plenário, os convocados terão 15 dias úteis para comparecer à Câmara, após notificação.

“O Prefeito, seu secretário e o chefe da Guarda Civil estão obrigados a vir a esta Casa explicar sobre a forma violenta, truculenta e desproporcional utilizada pelo Executivo contra os professores.As imagens e relatos dos que estavam ali demonstram de forma cabal mostraram o total despreparo e desrespeito aos trabalhadores da educação”, citou Elias.

O vereador do PSB afirma que a Câmara não pode ficar omissa “diante desse absurdo, dessa violência inominável. Temos que exigir uma explicação plausível do senhor prefeito e secretário da Educação”. O presidente Andrey Azeredo (PMDB) garantiu que o Paço está aberto às negociações. “O secretário me garantiu estar preocupado com a situação”, frisou.

Jorge Kajuru (PRP), da tribuna, exibiu um vídeo sobre a invasão da secretaria pela Guarda. “Foi uma violência sem tamanho. Nove professores foram presos. A professora Solange Amaral levou um tiro. O pior de tudo é que não houve diálogo. O pior é que a Guarda confirmou que a ordem para a invasão partido do Paço, do senhor Iris Rezende”, ponderou.

Cristina Lopes (PSDB) lembrou que violência gera violência. “O debate não pode ser sem conteúdo. Foram seres humanos agredidos. A Guarda tem de saber lidar com gente. Não se justifica uma atitude dessas. A responsabilidade tem CPF. É o senhor eleito pela população. O senhor Iris considera o servidor público com a carne podre, o câncer do sistema. Violência não vai resolver o problema. Sou favorável ao direito humano. Não sou favorável aos bandidos”.

Paulo Magalhães (PSD) citou o fato de que “pessoas inocentes foram agredidas porque estavam ali defendendo seus direitos, contra os roubos na merenda escolar, melhoria nas condições de trabalho e salário justo. Receber um aumento de R$ 7,00 é um escárnio. O prefeito tirou até a gratificação dos garis”.

A vereadora Sabrina Garcês (PMB), por sua vez, fez coro aos outros vereadores ao afirmar que os responsáveis pelas agressões aos professores teriam sido o prefeito, secretário da Educação e o chefe da Guarda. . “Parece que o Paço não sabe o que é diálogo e que isso é uma exigência da democracia”, completou.

Defesa

Os vereadores Oséias Varão (PSB) e GCM Romário Policarpo (PTC) assumiram a defesa do prefeito, do secretário e do chefe da Guarda. “Defendo a postura da Guarda porque os professores estão sendo usados para fins políticos. E vou provar. A maioria da categoria não participou”, garantiu Varão. E completou: “Os invasores depredaram o patrimônio público. Eles não tem o direito de invadir bens públicos. Esse grupo foi recebido cinco vezes pelo secretário. Essa ação é típica do PT, que não defende a democracia nem é contra a corrupção”.

“O direito de ir e vir é sagrado”, lembra o vereador Romário Policarpo. “A Guarda agiu com legitimidade. Tinham ali professores encapuzados, outros usaram tijolos, pedras, paus e até bomba de pimenta contra os guardas municipais. Portanto, é uma piada falar que a ação foi truculenta”.

Compartilhe em suas redes sociaisShare on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Pin on Pinterest
Pinterest
Share on Tumblr
Tumblr
Share on LinkedIn
Linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *